Água – berço da vida – Romulo Pintoandrade

Água – berço da vida

                                         Romulo Pintoandrade** – Brasília, DF

“Que é que diz o farfal das folhas?

Estes gerais enormes, em ventos, danando em raios,

e fúria, o armar do trovão, as feias onças.

O sertão tem medo de tudo.

Mas eu hoje em dia acho que Deus é alegria e coragem 

– que é bondade adiante, quero dizer.

O senhor escute o buritizal. E meu coração vem comigo.”

                           – João Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas*

 * Veredas são as nascentes da região dos cerrados, situadas em fundos vales ou  campos de vertentes, com terrenos alagadiços, muitas gramíneas e palmeiras de buriti com suas folhas em leque.
Por ser uma área de nascentes, é chamada pelo povo do sertão, de Mãe das Águas. Abrigam uma grande variedade de pássaros que se aninham e se alimentam no palmeiral, como araras, canários, passopretos, bentevieiras, saíras e tico-ticos.
A principal característica da Estação Ecológica de Águas Emendadas é uma vereda de 6 km de extensão. Na época da seca, ela serve como refúgio e bebedouro para diversos animais, alguns deles raros, como a anta, o veado campeiro, a ema e o lobo-guará.

Segundo relatório da Missão Cruls – campinas ligeiramente acidentadas, de dilatadas dimensões, em todos os rumos, abundantes em água potável.

“O maior bem é como a água.

A virtude da água está em beneficiar todos os seres sem conflito.

Ocupa os lugares que o homem despreza.

Portanto, é quase como o Tao.”

                – Tao-Te-King

** Conta o poeta, professor, artista Romulo: “Revendo meus arquivos encontrei essas abordagens poéticas que iniciam um projeto. A foto é imagem de uma oficina de poesia, fui convidado por uma amiga para falar a essas crianças de um educandário, em fev 2011.
Sim é uma família de tamanduás numa vereda enluarada, acrílica sobre um belo lençol dobrado. Umas gracinhas, elas amaram.
O outro é o estandarte de Noss(h)ora da Poesia – Nossa senhora na corruptela goiana.”

Romulo Pintoandrade Brasília, DF: mosaico de textos (abordagens poéticas) e criação da imagem : uma família de tamanduás numa vereda enluarada, acrílica sobre tecido (algodão).
http://pintoandrade.multiply.com/journal/item/73

Esse post foi publicado em Imagens, Poesia e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s