Fonte – Silvia Trevisani

Fonte

          Silvia Trevisani – Campinas, SP

Lembra daquela fonte de águas claras,
onde parava para saciar a sua sede?
E sob o Jacarandá florido, em tardes ensolaradas de primavera,
sentava para refrescar-se do calor?
Que saudade daquela fonte de águas serenas,
que emergia do solo e jorrava com abundância
germinando a vida.
E cantarolando seguia seu curso,
colhendo as fontes que encontrava no caminho,
molhando as flores e as relvas.
Que saudade daquela fonte de águas ondulantes,
que borbulhantes caíam como prata em suas mãos,
deslizando no solo
misturando-se às lágrimas,
espalhando sonhos,
colhendo ilusões…
Que saudades daquela fonte de água pura!
Brotava fazendo estripulias como criança,
depois repousava serena em seu leito.
Que foi feito daquela fonte?
Que saudade…
Que saudade!

Esse post foi publicado em Poesia e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s