O arco-íris fujão – Ivana Maria França de Negri

O arco-íris fujão

                                                                              Ivana Maria França de Negri 

Sempre que chovia, Mariana ficava na janela esperando a chuva passar. Sabia que logo, logo, o rosto gordo e amarelo do sol vinha espiar por entre as nuvens. E aí, apareceria o arco-íris. Coisa mais linda de se ver!

Sete cores em arcos atravessando o céu de ponta a ponta.

Naquele dia, depois da chuva, o sol espiou, espiou, e espiou de novo…Mas cadê o arco-íris?

Mariana ficou triste porque o céu estava cinzento e feio, coberto por uma fumaça preta e melequenta.

-“Cadê o arco-íris?” ela perguntava para todo mundo e ninguém sabia responder. Até que seu avô, um homem muito sábio, disse que o arco-íris havia sumido por causa da tal da poluição.

-“Polu o que, vovô?” queria saber Mariana, já ficando preocupada com o sumiço do arco-íris.

-“Poluição, Mariana,  a fumaça que as chaminés das fábricas cospem no ar, a que sai dos escapamentos dos carros e também a fumaça preta e fedorenta que sobe das queimadas.

Mariana perguntou ao avô o que as crianças da cidade poderiam fazer para que o arco-íris fujão voltasse a aparecer no céu depois da chuva. E o avô falou que elas deveriam procurar o prefeito lá na prefeitura.

E não é que o prefeito ouviu as crianças e imediatamente baixou um decreto proibindo as queimadas e criou uma lei para as fábricas? Elas só poderiam trabalhar a todo vapor se colocassem filtros em suas chaminés.

Determinou também que as pessoas só podiam sair de carro quando fosse extremamente necessário. Deveriam andar a pé, de bicicleta ou de ônibus.

De tanto andar a pé ou de bicicleta, os moradores da cidade que estavam muito gordos, ficaram até mais magros e saudáveis. A poluição diminuiu e quase acabou.

E teve um dia que choveu bastante. Mariana, na janela, aguardava ansiosa pela visita do sol. E ele espiou uma vez, espiou outra, e mais outra…e de repente o arco-íris fujão apareceu no céu todo pomposo, explodindo de tanta cor! 

Tinha vermelho-cor-de-fogo, laranja-cor-de-cenoura, amarelo-cor-de-ovo, verde-cor-de-floresta, azul-cor-dos-olhos-da-Mariana, roxo-cor-de-suco-de-uva e cor-de-maravilha, que era uma maravilha de cor!

Um viva para as crianças, para o prefeito, e claro, para o vovô sabe-tudo!

Esse post foi publicado em Contos e Lendas, Prosa e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para O arco-íris fujão – Ivana Maria França de Negri

  1. Ivana Maria disse:

    Querida Clarice. Obrigada pela postagem do meu continho infantil.
    E continuemos juntas nas trincheiras do bem conscientizando as crianças a protegerem os animais, os rios, lagos, mares, florestas………..Elas são a esperança de que nem tudo está perdido!

    ecobeijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s