Tramandaí – ecos do vazamento de óleo, em meio ao colorido verão – José Alberto de Souza

Tramandaí – ecos do vazamento de óleo, em meio ao colorido verão

José Alberto de Souza − Porto Alegre, RS

Não chegamos a presenciar as consequências do vazamento de óleo de uma monobóia da Petrobras na praia de Tramandaí, pois lá estivemos antes e depois de ocorrido o fato que se estendeu de 26 a 30 de janeiro. Nesse período, as águas do Litoral Norte do Rio Grande do Sul chegaram a ser declaradas impróprias para o banho. Advertência que não chegou a ser cumprida à risca, face o intenso calor de quase 40º reinante na capital do Estado que provocou a debandada de grande parte da população para aquele litoral no fim de semana. Os veranistas ignoraram impunemente o alerta das placas comunicando a devida impropriedade.

A praia de Tramandaí situa-se a 130 km de Porto Alegre, sendo separada de Imbé por uma ponte sobre o rio de mesmo nome, localizando-se nesta última o terminal marítimo da Petrobras que faz a distribuição para a central de Osório, de onde é encaminhado para a Refinaria Alberto Pasqualini, em Esteio. Tramandaí é dotada de uma grande orla compreendendo vários postos de salvamento, além de uma plataforma de pesca mantida por uma associação de aficionados da linha e do anzol. Embora a cidade não seja tão badalada como Capão da Canoa e de Torres, é um dos pontos mais procurados pela classe média.

Registrem-se as prontas providências dos responsáveis pela ocorrência, retirando o óleo acumulado na areia da praia e colocando barreiras de contenção para que esse vazamento não prosseguisse maculando o balneário. A área atingida cobriu a orla de aproximadamente 5 km entre a foz do rio Tramandaí e a plataforma de pesca, onde foram encontrados alguns animais mortos. Em questão de menos de cinco dias retornou à normalidade do veraneio, com o afluxo de gente se preparando para o refrigério das águas do mar. Com tais medidas, todo o comércio sazonal pode recuperar os prejuízos acarretados durante o curto prazo.

Na primeira quinzena de fevereiro, aproveitamos a suave brisa que invadia o Condomínio Quebra Mar, onde temos apartamento próprio, sem perceber qualquer cheiro resultante daquele vazamento. Este edifício é uma espécie de “forte-apache” que ocupa dois quarteirões contínuos de três pisos, cada apartamento com entrada pelos corredores, área interna destinada aos 270 boxes de estacionamento para veículos e onde se localiza uma ilha central com pracinhas de brinquedos, churrasqueiras, bicicletário e dependências para os funcionários da limpeza e segurança. Tem portaria que funciona 24 horas por dia, durante todo o ano.

Pois esse nosso Condomínio esteve lotado durante toda a semana do Carnaval, quando ali acorreram e se acomodaram quase mil pessoas, o pátio interno atulhado de carros dos mais diferentes tipos. Para encerrar a temporada, regressamos após o período da folia, já véspera de reinício das aulas, e constatamos o esvaziamento do local, ali permanecendo os aquinhoados pela justa aposentadoria a fim de desfrutar o mês de março, considerada a melhor e mais tranquila época para veranear. A maioria dos boxes desocupados anunciava o melancólico findar da estação do sol, da areia, do vento e do calor.

Em suma, este foi um veraneio de muitos bronzeados, biquínis esfuziantes e coloridos para quem quer aproveitar a vida sem maiores preocupações. Apesar de que, em certos dias, se clamava para São Pedro uma chuvinha amiga que viesse a refrescar a temperatura elevada e tão necessária nas áreas rurais. E quando chegou parece que serviu para tornar mais límpidas as águas oceânicas e proporcionar o mais agradável dos banhos nestes últimos tempos.  Ainda bem que tudo se resolveu da forma mais natural possível, apesar do protesto realizado pelos ambientalistas a partir da plataforma de pesca.

____________
 * Blog do autor : http://poetadasaguasdoces.blogspot.com/

(imagens encontradas na internet)
Esse post foi publicado em Artigos, Prosa e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Tramandaí – ecos do vazamento de óleo, em meio ao colorido verão – José Alberto de Souza

  1. Fatima Barreto Michels disse:

    Foi muito bom dar um passeio com o autor que nos levou até Tramandaí. E o mais importante: percebemos o olhar atencioso que o José Alberto, escritor e engenheiro, lança sobre o meio ambiente do qual dependemos todos nós. Parabéns ao autor por nos trazer artigo de tal pertinência e relevância. Parabéns ao site por divulgar. Abraço da Ma Fatima Barreto Michels/Laguna/C

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s