Araucárias – Elaine Tavares


 
No caminho para o oeste do estado de Santa Catarina a paisagem é aflitiva. O que se vê é um exército de pinus, cultura invasora que toma conta de quase todo o trajeto até a Argentina. Estão por toda parte como protagonistas de um modelo de produção que está matando as culturas de subsistência. Afinal, para os pequenos produtores, é muito mais seguro aceitar o plantio de pinus, com cliente fixo, do que apostar na produção de comida, sujeita a toda a sorte de intempéries. Na região de Lages, que já foi um celeiro de madeira nobre – totalmente devastado –  a fumaça intermitente anuncia o reino das papeleiras. Pelos caminhos, rareiam as araucárias, árvores típicas da região serrana, que até pouco tempo compunham, indefectíveis, a paisagem. Como estão quase em extinção, uma lei obriga quem tem uma araucária no terreno, a cuidar e nunca cortar. Por conta disso, entendendo que a lei “atrapalha” a vida e o uso dos terrenos, os agricultores estão arrancando as mudas tão logo elas brotam, para evitar ficar com a terra presa.  E, assim, as mães dos pinhões estão cada vez mais difíceis de encontrar. 
 
Talvez por conta dessa triste realidade que virar a BR 282 à esquerda, no rumo de Urubici, se transforme num passeio de tirar o fôlego. Tão logo nos afastamos da estrada principal já começam a aparecer as araucárias. Grandes, pequenas, médias, arvores bebês. É uma profusão. Por toda a extensão vão pipocando, soberanas, provocando vagas de emoção. Ali, elas estão protegidas e, ao que parece, são amadas. Entre bichos e gentes, as grandes árvores se balançam, altaneiras, esperando que chegue a hora de engravidar e gerar milhares de pinhões, uma semente com sabor de serra, de vento frio. 
 
Andando mais um pouco, passamos a acolhedora cidade de Urubici e seguimos em direção ao Parque Nacional São Joaquim, um refúgio da natureza, criado para proteger o ecossistema da região da sanha gananciosa dos donos de terra. A ideia de criar o parque como uma unidade de conservação surgiu no ano de 1957, quando a exploração de madeira chegava às raias do absurdo, devastando toda a cultura nativa. A luta foi grande mas, em 1961, uma lei federal tornava real o parque, conservando assim 49.300 hectares de terra com toda a vegetação típica da região. 
 
Situado na borda oriental da Serra Geral, cuja formação data de mais de 120 milhões de anos, o Parque São Joaquim abrange parte dos municípios de Urubici, Bom Jardim da Serra, Orleans e Grão Pará. Naquela imensidão verde se abrigam mananciais de fundamental importância para a vida do estado, como a nascente do Rio Pelotas, localizada bem no alto do Morro da Igreja. Ali, além de a gente se estupefar com a beleza das formações rochosas pode-se ver a famosa Pedra Furada, uma lapidação primorosa revelada pela natureza. No início do outono, a vista é deslumbrante, as cores são vivas e o vento forte parece falar ao ouvido, contando de passadas eras.
 
O parque mistura vegetação da mata Atlântica com a da mata das Araucárias, além de apresentar campos de altitude. A fauna abriga espécies pouco vistas como o leão-baio (puma), o quati, a cutia,o urubu-rei e uma série de pequenas aves como o pedreiro e o garimpeirinho. Também por ali voejam as gralhas azuis, responsáveis pela disseminação da semente da araucária.
 
O caminho até o Morro da Igreja nos leva para um lugar bem distante, no passado, como quando a floresta de araucárias  cobria mais de 220 mil quilômetros entre o Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Ali, parece que tudo ainda está intocado. Apenas a base do Cindacta, bem no topo do morro,  quebra um pouco o clima , embora evoque outros mistérios como a vida extraterrena. Em dias de semana, com poucos turistas, é possível sentar de frente para o abismo e ficar a cismar. Uma experiência sem igual.
 
Na volta para Urubici, impossível deixar de ver o “véu de noiva”, uma cascata de tamanho médio, de profunda beleza. Em volta dela, dezenas de araucárias bebês iniciam sua jornada de séculos, afinal elas podem viver mais de 500 anos. É como uma bênção. Nessa hora, tudo o que se pode fazer é agradecer por um dia, alguém ter travado essa luta, garantindo espaço de liberdade e de vida para a “mãe dos pinhões”, chamada de curi pelos indígenas da região. Triste pensar que é justamente o homem, o responsável pela sua destruição. Ainda assim, saímos de Urubici com o coração aos saltos, sabendo que enquanto existir o parque São Joaquim a grande árvore serrana sobreviverá. 
 
Enquanto isso, na vastidão do estado, as pequenas mudas das centenárias árvores que conseguem vingar sem serem arrancadas, vão resistindo, afogadas pelo pinus. Estão por ali, solitárias, esperando pelo voo da gralha, que semeará, até quando ela mesma não mais existir…
.
.
Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos, Imagens, Prosa e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s