Tempo e Liberdade – Gilberto Nogueira de Oliveira

cataratas_iguazu_junho2012_clarice_villac

Tempo e Liberdade

 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gilberto Nogueira de Oliveira – Nazaré, Bahia 06-07-1968

Andei por todo o mundo
Em busca de algo que nunca vi,
Algo que nunca tive
Mas, que desejava.
Nada encontrei, exceto abismos.
Nem sei bem o que procurava.
Talvez o infinito,
Talvez a verdade,
Talvez eu mesmo,
Talvez a liberdade,
Talvez o amor.

A liberdade é como o tempo.
Quanto mais a queremos, menos a temos.
É também como os peixes,
Quando estão presos na rede
E quanto mais tentam sair, mais se embaraçam.
Não sei o que queria. Eu queria a liberdade
Mas, não tinha tempo para procurá-la.
Se a liberdade é como o tempo,
Não existe tempo nem liberdade.
Qual a liberdade do tempo? E o tempo da liberdade?
Para que haja liberdade é preciso libertar o tempo.
Para que haja tempo é preciso libertar o homem.
É preciso dar tempo ao homem
Para protestar pró-liberdade.
Para protestar contra a falta de tempo
E ter tempo para protestar
Contra a falta de liberdade.

____________________

Para ver mais poemas de Gilberto Nogueira de Oliveira :

https://www.facebook.com/palanquemarginal/timeline

imagem: Cataratas do Iguaçu, lado argentino, junho 2012, por Clarice Villac.

Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s